Multilingual Folk Tale Database


Κόραξ καὶ ἀλώπηξ (Αἴσωπος)

A raposa e o corvo Azeria eta erroia
unknown author unknown author
Portuguese Basque
Uma raposa viu um corvo empoleirado numa árvore, com um pedaço de carne no bico, e cresceu-lhe água na boca. A manhosa da raposa, que queria roubar a carne ao corvo, começou a lisonjear a ave. “Que lindo que tu és!”, disse a raposa. “Que penas delicadas! Nunca vi outras mais belas do que as tuas! Que esbelto e gracioso que és e que voz deliciosa!” Egun batean erroi bat arbola baten gainean zegoen eta gazta-zati goxo bat zuen mokoan.
O corvo ficou muito satisfeito ao ouvir estas belas palavras e começou a saltitar no ramo. Então, para provar a si mesmo que tinha voz maravilhosa, abriu a boca para cantar. Imediatamente, o pedaço de carne caiu-lhe da boca, mesmo na direção da raposa, que o engoliu, toda contente com a sua brilhante idéia. Bat-batean azeri bat agertu zen eta, gazta ikusi ondoren, oso azkar erroiari esan zion: “ Egun on, erroia! Zein polita zaren! Bai polit abesten duzula!
Moral Oso pozik, erroia abesten hasi zen eta orduan gazta lurrera erori zitzaion. Momentu hartan, azeriak gazta hartu zuen eta joan egin zen.
Há no mundo poucas pessoas que não se deixem vencer pela lisonja Erroiak oso haserre zin egin zuen: “ Hemendik aurrera ez dut inoiz abestuko”.


Change: Change: