Multilingual Folk Tale Database


Ananse eni Akekrehemaa

Kɛdɛba nee Ɛnwɔnra A aranha e a tartaruga
Francis Benle unknown author
Nzima Portuguese

kenle ko bie kɛdɛba vale elue kɛlɛma bie wɔ ye suanzi ɛya ne anu.

ɔdondonle elue ne kɛlɛma kpalɛ naa ɔwiele naa ɔyɛle ye adwenle kɛ ɔdi la awie bɔle ye alenkɛ ne anu.

angomedi ti ɔkunlu dele ye ɔluakɛ ɔze kɛ ahenle bali ye elue ne bie.

ɔbukɛle ye alenkɛ ne la ɔnwunli kɛ ɛnwɔnra ɔ.

ɔliele ye naa ɔbizale ye amaneɛ.

ɛnwɔnra bɔ ye amaneɛ ne la ɔhanle kɛ me wɔ adendulɛ nu naa mendwule wɔ sua ne anzi la mendele elue bɛtondo evuanlɛ wɔ wɔ sua ne anu naa ɔluakɛ mevɛ naa ɛhɔne ɛlɛku me la ati a memakyi a.

wɔ kɛdɛba suazo ɛyɛvolɛ basokoɛ wɔ a aleɛ biala mɔ ɛlɛ ye la ɛma ye bie ɛhye ati ɔwɔkɛ kɛdɛba ma ɛnwɔnra elue ne bie.

angomedi kɛdɛba ɛngulo kɛ ɔbama ɛnwɔnra elue ne bie la ati ɔbɔle kpɔkɛ bie.

kpɔkɛ ne a lɛ kɛ ɔbaha yeahile ɛnwɔnra kɛ ɔhɔwowo ɔ sa anwo naa ɔkara la ɛnee yeli ye elue ne yewie.

ɔwiele kpɔkɛ ɛhye bɔ la ɔvɛlɛle ɛnwɔnra kɛ ɔrɛla ɔmaa beli elue ne.

ɛnwɔnra denlanle aze ala pɛ la yɛɛ kɛdɛba hanle hilɛle ye kɛ ɔ sa anwo ɛyɛ ɛvinle ɛhye ati ɔhɔwowo ɔ sa anwo.

ɛnwɔnra dwazole ala pɛ yɛɛ kɛdɛba bɔle ɔbo kɛ ɔdi elue ne a naa ɔkara la ɛnee yeli elue ne foanko.

ɛnwɔnra nwunli ɛhye naa ɔkaha nwolɛ ɛdwɛkɛ la kɛdɛba zɛle ye kɛ ɛnee elue ne ɛlɛdwie ɛhye ati a yeli bie a.

ɛnwɔnra eza tenla aze la kɛdɛba hanle hilɛle ye kɛ ɔ sa anwo ɛyɛ ɛvinli bieko ɛhye ati ɔhɔwowo ye bieko.

ɛnwɔnra leanle ɔ sa anwo la ɛnee amgba yeyɛ ɛvinli ɛhye ati ɔziale ɔhɔle azule ne anloa kɛ ɔkawowo ye bieko.

mekɛ ɛhye kɛmɔɔ ɔngulo kɛ ɔ sa anwo kɛyɛ evinli bieko la ati ɔluale ndile ne azo.

mekɛ ɛhye ɛnee kɛdɛba ɛlɛdi elue ne. ɛnwɔnra rale la ɛnee kɛdɛba eli elue ne amuanla.


ɛhye yɛle ɛnwɔnra nyane kpole kpalɛ naa ɔyɛle ye adwenle kɛ ɔbayɛ kɛdɛba bie.

ɛhye ati ɔkɔ la ɔhanle ɔhilɛle kɛdɛba kɛ mekɛ biala mɔ ɔbanyia adenle la ɔrɛla ɔmaa beli aleɛ.

mekɛ ekyii guale nu la kɛdɛba yɛle ye adwenle kɛ ɔkali aleɛ ne mɔɔ ɛnwɔnra hanle nwonlɛ ɛdwɛkɛ la.

ɛhye ati ɔhɔkpɔlale ɛnwɔnra. ɛnwɔnra nwunli kɛdɛba la ɔhanle ye ɔ ti anu kɛ ɔbadua kɛdɛba kakɛ wɔ mɔ ɔyɛle ye la anwo.

kɛmɔ azule bo a ɛnwɔnra de la ati ɔhanle ɔhilɛle kɛdɛba kɛ ɔhendɛ naa ɔkaziezie aleɛ ne naa ɔwie a ɔbara naa bahɔli.

amgba ɔhɔle naa ɔwiele la ɔravɛlɛle kɛdɛba.

ɛnwɔnra vuandile ɔnwo dole azule ne anu naa ɔhɔle azule ne abo bieko.

kɛdɛba yɛle kɛ ɔdaye noko ɔkɔ noko ɔyɛle biala la ɛnee ɔnrɛyɛ boɛ.

ɛhye kile kɛ ɔnyɛ ɛlomboɛ mɔ ɔkola ɔnoma a.

ɔyɛle mɔ ɔkɛyɛ boɛ noko ɛnee nzule lua bolɛ nwo.

nzinli ɔvale adwenle.

amaa yeayɛ ɛlomboɛ la ɔhɔvale awolɛ ɔwulawulale ye ahodoku ne mɔ anu.

ɔyɛle ɛhye naa ɔvuandile ɔnwo la ɛnee ɔwɔ azule ne abo suludu.

ɛhye yɛle ɛnwɔnra azibɛnwo.

kɛdɛba ehile ye kɛ ɔze nrɛlɛbɛ kpole kpalɛ.

ɛnwɔnra eza vale adwenle fofolɛ mɔ ɔdua zo a ɔbadua kɛdɛba kakɛ bie la.

ɔnwunli kɛ saa kɛdɛba ye ye tɛladeɛ ne mɔɔ yeva awolɛ yewulawula ye ahodoku ne mɔ anu la a ɔbatulu bieko.

ɛhye ati ɔzɛle kɛdɛba kɛ wɔ ye suazo bedi aleɛ a benwula tɛladeɛ ɛhye ati ɔye ye tɛladeɛ ne.

kɛdɛba yele ye tɛladeɛ ne naa ɔnye zo katete ye la ɛnee ɔtulu azule ne anye.

ɔbiale ɔhɔle ɛvoleyɛ ne naa ɔnleanle azule ne abo lɔ la ɔnwunli kɛ ɛnwɔnra ɛlɛdi aleɛ ne.

ɛnwɔnra amgba ɛnwu kɛ yedua kɛdɛba kakɛ ne bie

Um dia, Anansi, a aranha, colheu alguns legumes muito gordos e saborosos na sua horta. Ele os cozinhou com muito cuidado e eles ficaram cheirando deliciosamente. Ela não podia esperar para sentar e comê-los.

Nesse momento bateram à sua porta. Era Tartaruga, que tinha viajado o dia enteiro e estava muito cansado e faminto.

"Olá, Anansi", disse Tartaruga. "Eu estou caminhando há tanto tempo, e senti o cheiro dos legumes mais deliciosos que eu já sentia. Você seria tão amável de compartilhar a sua refeição comigo?"

Anansi não pode recusar, como era costume no seu país, dividir a sua comida com as visitantes na hora de comer. Mas ele não ficou muito feliz, pois Anansi era um pouco ganancioso e queria comer todos os legumes deliciosos sozinho. Então Anansi pensou e bolou um plano.

"Por favor, Tartaruga, entre. Eu ficarei honrado de tê-lo como meu convidado esta noite. Sente-se, agafe uma cadeira e sirve-se."

Tartaruga entrou e sentou-se, mas assim como ele estendeu a mão para um vegetal, Anansi gritou: "Tartaruga, não sabes melhor do que vir para à mesa com as mãos sujas?"

Tartaruga olhou para suas mãos e viu que eles estavam bem sujas. Ele tinha estado a rastejar durante todo o dia e não tinha tido a oportunidade de limpá-las. Tartaruga se levantou e foi até ao rio para lavar os pés. Ele percorreu, lento como todas as tartarugas, todo o caminho de volta até a casa, e quando voltou, Anansi já tinha começado a comer.

"Eu não quis estes legumes deliciosos ficassem fríos, então eu tive que começar", disse Anansi. "Mas por favor, junte-se a mim agora, Tartaruga".

Tartaruga sentou-se de novo e já se ia servir de verduras, mas mais uma vez Anansi gritou com ele.

"Tartaruga, que você não ouviu o que eu te disse antes? Não é educado vir para a mesa com as mãos sujas!"

Ele olhou para baixo e viu que suas mãos limpas tinham se sujado de novo, pois ele tinha caminhado sobre elas quando voltou para a casa. Então, ele foi mais uma vez ao rio para se lavar. E quando voltou esta vez, caminhou cuidadosamente pela grama para que suas mãos ficaram limpas. Mas antes que se sentasse à mesa, Anansi já tinha acabado de comero último pedaço dos deliciosos legumes, não sobrando uma migalha sequer.

Tartaruga olhou para Anansi por um momento e disse: "Obrigado por dividir a sua comida comigo. Quando você for algum día pelos lados da minha casa, por favor deixe-me retribuir a gentileza." E então ele caminhou lentamente para fora e seguiu o seu caminho.

Os dias se passaram e Anansi pensava mais e mais na refeição que Tartaruga tinha oferecido. Ele estava cada vez mais interessado ​​num jantar grátis e finalmente não aguentou mais. Ele saiu um dia para encontrar a casa de Tartaruga.

Ele encontrou Tartaruga tomando sol na beira de um rio, justamente perto da hora do jantar.

Tartaruga o viu e disse: "Olá, Anansi, você veio para jantar comigo?"

"Oh sim, sim!" disse Anansi, que estava cada minuto mais faminto. Tartaruga foi debaixo mergulhou no rio para sua casa, para por a mesa do jantar. Logo ele retornou paraà margem do rio e disse: "O seu lugar está posto e o jantar está pronta. Por favor, Anansi, junta-se a mim,"

E então ele nadou por baixo d'água e começou a comer sua comida lentamente.

Anansi pulou na água, mas não conseguiu chegar ao fundo do rio. Ele tentou nadar para baixo, mas era tão leve que ficava boiando ​​na superfície.

Ele tentou mergulhar e tentou nadar pelas costas. Ele tentou uma corrida para mergulhar, mas não conseguiu de jeito nenhum alcançar o fundo do rio.

Enquanto isso, Tartaruga ia lentamente comendo a sua comida.

Anansi não estava a fim de perder um jantar grátis, e foi pela margem dorio matutando o que fazer. Finalmente, ele teve uma ideia. Ele começou a pegar pedras e rochas e os enfiaram nos bolsos do paletó.

Agora, quando ele pulou na água afundou até o fundo e foi capaz de tomar o seu lugar na mesa.

A mesa era muito bonito e cheio de comidas deliciosas. Anansi mal podia acreditar quanta saborosa comida estava diante dele e não podia esperar para começar a sua refeição.

Mas assim como ele chegou para o primeiro bocado, Tartaruga parou de comer e disse: "No meu país, não usamos os nossos casacos na mesa."

Anansi notou que Tartaruga havia retirado o seu próprio casaco antes de se sentar. Anansi começou a tirar o casaco, e logo que estava fora de seus ombros, ele voltou directamente até a superfície. Ele enfiou a cabeça na água e viu Tartaruga, aí abaixo, tranquilamente comendo a sua deliciosa comida.



Change: Change: