Multilingual Folk Tale Database


Information

Author: Adolfo Coelho - 1879

Original version in Portuguese

Source: Contos Populares Portuguezes (nr. 29)

Country of origin: Portugal

Story type: Beauty and the Beast (ATU 425C)

Translations

There are no translations available for this story

Add a translation

Bela-Menina

Adolfo Coelho

Era uma vez um homem; vivia numa cidade e trazia navegações no mar, e depois foi ele e deu em decadência por se lhe perderem as navegações. Ele teve o seu pesar e não podia viver com aquela decência com que vivia no povoado e tinha umas terrinhas na aldeia e disse para a mulher e para as filhas:

— Não temos remédio senão irmos para as nossas terrinhas; se vivemos com menos decência que até aqui, somos pregoados dos nossos inimigos.

A mulher e uma filha aceitaram, mas as outras duas filhas começaram a chorar muito. E depois foram. A que tinha ido de sua vontade era a mais nova e chamava-se Bela-Menina; cantava muito e era a que cozinhava e ia buscar erva para o gado, de pés descalços; as outras metiam-se no quarto e não faziam senão chorar. Quando o pai ia para alguma parte, as mais velhas sempre pediam que lhes trouxesse alguma coisa e a mais nova não lhe pedia nada. Vai nisto, veio-lhe uma carta de um amigo dizendo que as navegações que vinham aí, que tiveram notícia e que fosse vê-las.

O homem caminhou mais um criado saber das tais navegações; quando saiu, disseram as suas filhas mais velhas que, se as navegações fossem as dele, lhes levasse algumas coisas que lhe declararam. E ele disse à mais nova:

— Ora todas me pedem que lhes traga alguma coisa. Só tu não me pedes nada?

— Vou pedir-lhe também uma coisa; onde o meu pai vir o mais belo jardim, traga-me a mais bela flor que lá houver.

O pai foi e chegou a uma cidade e reconheceu que as navegações não eram dele e foi-se embora com a bolsa vazia. Chegou a um monte e anoiteceu-lhe; ele viu uma luz e dirigiu-se para ela a ver se encontrava quem o acolhesse. Chegou lá e viu uma casa grande e estropeou à porta; não lhe falaram; tornou a estropear; não lhe falaram. E disse ao moço:

— Vai aí pelo portal de baixo ver se vês alguém.

O moço foi e voltou:

— Veio lá muitas luzes dentro e cavalos a comer e penso para lhe botar; mas não veio ninguém.

Então o homem mandou meter o cavalo na cavalariça e entraram na cozinha. Acharam lá que comer e, como a fome não era pequena, foram comendo muito. E nisto aí vem por essa casa adiante uma coisa fazendo um grande ruído, assim como umas cadeias que vinham a rastos pela casa adiante e depois chegou ao pé deles um bicho de rastos e disse-lhes:

— Boas-noites.

Eles puseram-se a pé com medo e disseram-lhe:

— Nós viemos aqui por não acharmos abrigo nem que comer noutra parte; mas não vimos fazer mal a ninguém.

— Deixai-vos estar e comei.

Demorou-se um pouco o bicho e disse-lhes:

— Ora ide-vos deitar que eu também vou para o meu curral.

E começou-se a arrastar pela cozinha e foi. Ao outro dia o homem foi ao jardim, que era o mais belo que tinha visto, e disse:

— Já que não posso levar nada para as minhas filhas mais velhas, quero ao menos levar a flor para a Bela-Menina...

Estava a cortar a flor e nisto o bicho salta-lhe:

— Ah, ladrão! Depois de eu te acolher em minha casa, tu vens-me colher o meu sustento, que eu não me sustento senão em rosas.

E ele disse:

— Eu fiz mal, fiz; mas eu tenho lá uma filha que me pediu que lhe levasse a mais bela flor que eu visse na viagem, e não podendo levar nada às outras filhas, queria ao menos levar a flor; mas se a quereis ela aí fica.

— Não, levai-a e se me trouxerdes cá essa filha, ficais ricos.

O homem caminhou e chegou a casa muito apaixonado por não trazer nada às outras filhas e não achar as navegações e pegou na flor e deu-a à Bela-Menina.

A filha, assim que viu a flor, disse:

— Oh, que bela flor! Onde a achou, meu pai?

O pai contou-lhe o que vira e a filha disse:

— Ó meu pai, eu quero ir ver.

— Olha que o bicho fala e disse também que te queria ver.

— Pois vamos.

E foram.

A filha, assim que viu o tal bicho, disse:

— Ó pai, eu quero cá ficar com este bicho, que ele é muito bonito.

O pai teve a sua pena, mas deixou-a. Passado algum tempo, ela disse:

— Ó meu bichinho, tu não me deixas ir ver os meus pais?

E ele disse-lhe:

— Não, tu não vais lá por ora; teu pai vem cá.

O pai veio e disse ao bicho:

— Eu queria levar a rapariga.

— Não me leves daqui a rapariga, senão eu morro e tu vai ali àquela porta e abre-a e leva dali a riqueza que tu quiseres e casa as tuas filhas.

O homem que mais quis?

Um dia o bicho disse à Bela-Menina:

— A tua irmã mais velha lá vem de se receber; tu queres vê-la?

— Quero.

— Vai ali e abre aquela porta.

Ela foi e viu a irmã com o noivo e os pais.

— Agora deixa-me ir ver o meu cunhado.

— Eu deixava, deixava; mas tu não tornas.

— Torno; dá-me só três dias que eu em um dia e meio chego lá e torno cá noutro dia e meio.

— Se não vieres nestes três dias, quando voltares achas-me morto.

Ela foi; no fim dos três dias ela veio, mas tardou mais um pouquito que os três dias; ela foi ao jardim e viu-o deitado como morto.

Chegou ao pé dele, «Ai meu bichinho!» E começou a chorar. Ele caiu e ela disse:

— Coitadinho, está morto; vou dar-lhe um beijinho.

E deu-lhe um beijo, mas o bicho fez-se um belo rapaz.

Era um príncipe encantado que ali estava e que casou com ela.